Saiba tudo sobre mioma uterino: o tumor benigno mais comum do trato genital feminino

> Blog

Saiba tudo sobre mioma uterino: o tumor benigno mais comum do trato genital feminino

20 de maio de 2019

Miomas uterinos são tumores benignos presentes no útero e acometem de 20% a 50% das mulheres. Acredita-se que o crescimento dos miomas é estimulado pelos hormônios estrogênio e progesterona, mas a gênese inicial ainda é desconhecida. “A maioria das pacientes não apresenta nenhum sintoma, entretanto 25% delas podem ter sangramento menstrual aumentado, dor pélvica, aumento do volume abdominal, dificuldade para engravidar, aborto e parto prematuro”, explica Natália Paes Barbosa, ginecologista da Genesis Brasília.

Em casos assintomáticos, a paciente normalmente descobre que tem a doença quando vai a alguma consulta de rotina com o médico ginecologista ou quando apresenta algum dos sintomas. As maneiras de fazer o diagnóstico são a ultrassonografia, histerossalpingografia, histeroscopia, ressonância nuclear magnética e tomografia computadorizada.

INFERTILIDADE – A prevalência do mioma aumenta com a idade e à medida que as mulheres decidem adiar a maternidade, isso passa a se tornar mais significativo. A especialista explica que embora ainda sejam causas isoladas de infertilidade, “sendo responsável por menos de 3% do motivo de infertilidade da mulher, os miomas podem afetar a fertilidade de três formas: alterando a anatomia do útero, tubas uterinas ou ovários; provocando inflamações no endométrio e/ou alterando a contratilidade miometrial, o que dificulta o transporte do espermatozoide e a implantação do embrião.”

TRATAMENTO – O tratamento indicado para os miomas depende do estágio e gravidade dos sintomas, mas existem três maneiras de tratar a doença: com medicamentos, com terapia radiológica ou a realização de cirurgia. Caso a mulher engravide sem fazer o tratamento, o mioma pode crescer devido ao estímulo hormonal natural da gestação.

“A remoção cirúrgica dos miomas submucosos, ou seja, que estão dentro da cavidade uterina, é a única recomendação para melhorar a fertilidade espontânea ou a tecnologia de reprodução assistida. Já os miomas intramurais, que estão dentro do músculo do útero e que são maiores de 4 cm, podem influenciar negativamente a fertilidade e a cirurgia deve ser considerada. Por fim, os miomas subserosos, que estão pregados fora do útero, não têm impacto na fertilidade”, finaliza Natália Paes Barbosa.

A GENESIS – Com 25 anos de atuação, a Genesis – Centro de Assistência em Reprodução Humana conta com mais de 30 profissionais capacitados na área. Os médicos participam ativamente da formação de novos colegas e parte deles ocupa ou já ocupou cargos importantes nas sociedades de especialidades e entidades ligadas à área de reprodução assistida, como o Conselho Federal de Medicina (CFM), a Sociedade Brasileira de Reprodução Assistida (SBRA), de Reprodução Humana (SBRH), Federação Brasileira da Associação de Ginecologia e Obstetrícia (Febrasgo) e a Rede Latinoamericana de Reprodução Assistida (RedLara). Tudo para agregar conhecimento e tecnologia e primando pela assistência ética, personalizada, com confidencialidade e foco no melhor resultado para cada caso.

Por Larissa Sampaio
Conversa Coletivo de Comunicação Criativa

Mais Notícias

O pré-natal de quem engravidou por fertilização in vitro é diferente?

Agrotóxicos e pesticidas podem prejudicar fertilidade

Médica da Genesis é premiada em Congresso Brasileiro de Reprodução Assistida

Entenda o que é falha de implantação e por que ela ocorre

Genesis é convidada a validar diagnóstico genético não invasivo em embriões no Brasil

Equipe médica da Genesis participa do XXIII Congresso Brasileiro de Reprodução Assistida

Estudo holandês aponta que fertilização in vitro não aumenta risco de câncer de ovário

Saiba quais fatores interferem nos resultados da fertilização in vitro (FIV)

Corpo clínico da Genesis é destaque em eventos internacionais

Estilo de vida saudável é aliado da fertilidade