Tudo o que você precisa saber sobre período fértil

> Blog

Tudo o que você precisa saber sobre período fértil

6 de novembro de 2020

Para uma pessoa que tem ciclos menstruais regulares – aquele que normalmente dura entre 21 a 35 dias – o período mais fértil são os três dias que antecedem a ovulação. Durante esse intervalo, manter certa frequência de relações sexuais, idealmente a cada um ou dois dias, ou três vezes na semana, pode aumentar as chances de gravidez.

Ciclo menstrual – Considera-se o primeiro dia do ciclo aquele em que a menstruação desceu. A ovulação acontece 14 dias antes dessa data (sempre analisada de forma retrospectiva). “Quando for tirar uma média, o ideal é que a duração dos ciclos não seja maior do que 8 ou 9 dias, pois isso pode indicar irregularidade menstrual. Fique atenta ao seu corpo e acompanhe esses períodos. Se perceber essa irregularidade, procure um ginecologista”, explica Maria Eduarda Amaral, ginecologista e obstetra da Genesis.

Sinais do corpo – Aumento da libido e leve dor na região pélvica são alguns sinais de que a ovulação está perto. Por causa das mudanças hormonais do ciclo, logo antes da ovulação acontecer também há um aumento do estrogênio que causa alteração no muco cervical, deixando-o com o aspecto de clara de ovo e a mulher com a sensação de estar mais úmida na região genital. O ideal é acompanhar pelo menos seis meses de ciclos sem uso de métodos anovulatórios para determinar seu padrão menstrual e conhecer os sinais do seu corpo.

Teste para detectar o período fértil – Os testes de hormônio luteinizante (LH) ajudam a apontar o período fértil da mulher. “São encontrados em farmácias comuns e devem ser feitos nessa janela mais provável do período fértil, de preferência quatro dias antes da data provável de ovulação e ao final do dia, porque, se usado aleatoriamente, há chances de resultados falsos”, detalha Maria Eduarda.

O LH é um hormônio produzido pela hipófise e que, nas mulheres, é responsável pelo amadurecimento dos folículos, ovulação e produção de progesterona, e tem papel fundamental na capacidade reprodutiva da mulher.

Ele antecede a ovulação, que acontece geralmente 36 horas após a subida desse hormônio no sangue. Na urina, ele costuma aparecer 12 horas depois de apresentar-se no sangue. Por isso, é melhor fazer no fim do dia. “Em média, 24h depois de aparecer positivo na urina é quando a pessoa vai ovular. Então, no dia que veio positivo o teste do LH e no seguinte, a pessoa está bem fértil e, portanto, é um ótimo momento para ter relações sexuais”, explica Maria Eduarda.

Não é garantia de gravidez, contudo. Existe uma média de 20% de chance ao longo de um ciclo, considerando casais que mantém relações frequentes.

Quando procurar ajuda – Se depois de um ano de tentativas o casal não conseguir engravidar, deve-se procurar um especialista em reprodução humana para investigar possíveis causas de infertilidade. Esse tempo diminui para seis meses para pessoas acima de 35 anos, pois a qualidade e quantidade de óvulos sofre com o aumento da idade. E, em casos de anormalidade, como dores intensas na menstruação e ciclos irregulares, deve-se procurar imediatamente um profissional.

“Vale lembrar que a relação sexual deve ser um momento de intimidade do casal, e não somente um meio para fins de procriação. Por mais que o desejo de ter filhos seja forte, cuidado para não dar espaço e a frustração crescer a ponto de transformar o ato em algo paranoico e estressante”, alerta Maria Eduarda, ginecologista e obstetra da Genesis.

Aplicativos para acompanhar ciclo menstrual – Hoje existem diversos apps que podem ajudar a registrar o ciclo menstrual. Algumas indicações são o Flo (para iOS), Clue (iOS e Android) e Glow (iOS e Android).

Por Gabriela Brito Conversa | Estratégias de Comunicação Integrada

Mais Notícias

Novembro azul: câncer de próstata não significa o fim do sonho de ser pai

Tudo o que você precisa saber sobre período fértil

Saiba o que é endometrite crônica e como ela pode impactar sua fertilidade

O que é vaginismo e como isso pode impactar as chances de gravidez

Estudo aponta que mulheres que usam aplicativos para monitorar ciclo menstrual aumentam suas chances de engravidar em até 20%

Entenda como a alimentação pode influenciar na síndrome dos ovários policísticos

Genesis participa do primeiro estudo brasileiro multicêntrico sobre análise embrionária não invasiva

O que você come importa: saiba o que incluir no prato para aumentar as chances de uma gravidez saudável

Pesquisa aponta relação entre idade paterna avançada e maiores taxas de abortamento: entenda

Parte II: Como funcionam os tratamentos de reprodução assistida para a população LGBTQIA+?