Reserva ovariana: qual sua importância e como medi-la?

> Blog

Reserva ovariana: qual sua importância e como medi-la?

22 de novembro de 2019

A reserva ovariana representa a quantidade de óvulos que uma mulher possui. Avaliá-la é importante para quem deseja ser mãe porque são esses óvulos que podem gerar um embrião após serem fecundados. Como a quantidade de óvulos da mulher é finita e começa a diminuir drasticamente a partir dos 35 anos de idade, as chances de gravidez também diminuem com o passar dos anos.

Apesar de ser o fator individual mais importante para avaliar a quantidade de óvulos que a mulher ainda possui, a idade não é o único indicativo para isso, já que a reserva ovariana pode variar de forma significativa entre mulheres da mesma idade. 

Um exame eficiente para a avaliação da reserva ovariana é a contagem de folículos antrais (CFA). Trata-se da soma de todos os folículos entre 2-10 mm nos dois ovários, em um exame de ultrassonografia transvaginal. “É como se o folículo fosse uma uva e o óvulo, o caroço lá dentro”, explica Manoela Porto, ginecologista da Genesis. 

“A partir da expressão desses folículos, você consegue ter uma ideia do estoque da mulher. Sempre explico às minhas pacientes que a contagem de folículos antrais é como uma vitrine: é o que conseguimos enxergar. É como se fosse uma população de folículos disponíveis para ‘comprarmos’ da vitrine, ou seja, estimular e utilizar, por exemplo, em um ciclo de estimulação para um tratamento de reprodução assistida como a fertilização in vitro ou para congelamento de óvulos”, detalha Manoela.

Segundo pesquisa conduzida pelo Serviço de Medicina da Reprodução do Centro Hospitalar e Universitário de Coimbra, a contagem de folículos antrais mostrou-se superior a vários outros marcadores, apresentando 89% de sensibilidade para detectar o número de folículos. 

Outras possibilidades – “Atualmente, nós temos dois marcadores de primeira linha que são a contagem de folículos antrais e a dosagem do hormônio anti-Mülleriano, produzido pelos folículos de reserva do ovário”, ressalta a ginecologista.

Hormônio anti-mülleriano –  “Por meio da produção desse hormônio você consegue ter uma estimativa da quantidade de óvulos residuais que essa paciente tem no decorrer da vida reprodutiva”, explica Manoela.

“Vale sempre a pena ressaltar que esses exames não são um teste de fertilidade. Trata-se de testes de reserva, não são marcadores de que você vai engravidar e muito menos refletem o tempo em que se pode adiar para engravidar. Mesmo que você tenha uma baixa reserva ovariana, o seu potencial reprodutivo pode se revelar se você tiver um ciclo menstrual regular e não possuir outros fatores de infertilidade, como alteração nas trompas, na cavidade do útero e fator masculino, por exemplo”, esclarece a médica.

 

Por Gabriela Brito Conversa | Estratégias de comunicação integrada

Mais Notícias

Saiba como infecções sexualmente transmissíveis interferem na fertilidade

Resultado da seleção do Programa de Estágio Avançado 2020

Quais são os indicadores de sucesso de uma fertilização in vitro?

Menopausa prematura: e se eu ainda quiser ter filhos?

Comum no verão, candidíase diminui chances de engravidar

Participe do Programa de Estágio Avançado da Genesis em 2020! Inscrições de 2 a 31 de janeiro

Cinco conselhos para preservar sua fertilidade em 2020

Congelamento de óvulos: o que você precisa saber

Entenda os parâmetros legais para o congelamento de gametas e embriões

Como a reprodução assistida pode ajudar pessoas com HIV?