Por que a idade influencia na fertilidade feminina?

> Blog

Por que a idade influencia na fertilidade feminina?

Ao contrário dos homens, que produzem espermatozoides ao longo de sua vida, as mulheres, caso não tenham nenhum problema genético, nascem com aproximadamente 1 a 2 milhões de óvulos e não os produzem mais ao longo da vida. Elas chegam à puberdade com cerca de 300 a 500 mil e, a cada ciclo menstrual, são perdidos cerca de 1000 óvulos.

GRAVIDEZ TARDIA – “O aumento do número de gravidezes a partir dos 30 anos, provocado por diversos fatores fez com que o impacto da gravidez tardia fosse percebido com mais frequência perante os médicos e a sociedade em geral”, explica Elielma Almeida, ginecologista da Genesis Brasília.

De acordo com o IBGE, em 2005 o percentual de mães com idade entre 30 e 39 anos era de 22,5%, e em 2015 esse percentual subiu para 30,8%. O declínio na fertilidade feminina torna-se acentuado a partir dos 35 anos de idade, com piora após os 40 anos.

Tanto o declínio quanto o aumento no tempo para conseguir ter um bebê se deve, principalmente, à redução significativa do número e da qualidade dos óvulos. Por isso, tem crescido também o número de mulheres que, por volta dos 30 anos de idade, congelam seus óvulos (criopreservação) para usá-los futuramente.

CRIOPRESERVAÇÃO – O processo de congelamento de óvulos, a criopreservação, começa com a indução dos gametas femininos por meio de hormônios. “Quando os óvulos respondem a esta indução e crescem em número e tamanho, a paciente passa por um procedimento chamado de captação de óvulos, para que os gametas sejam aspirados e congelados” comenta a especialista.

O congelamento social de óvulos está regulamentado pelas novas regras do Conselho Federal de Medicina (CFM) sobre Reprodução Assistida. Na Resolução CFM 2.168/2017 foi incluída a criopreservação social, permitindo que pessoas sem problemas reprodutivos pudessem realizar o procedimento para programarem uma gestação de acordo com sua programação pessoal, respaldando também o procedimento para as pacientes com câncer. “Para nós, especialistas, essa normatização da reprodução assistida é muito importante, respaldando o tratamento e dando segurança aos pacientes“ finaliza Elielma Almeida.

ONCOFERTILIDADE – Além do congelamento social, a criopreservação também possibilita que pacientes diagnosticados com câncer possam ter filhos após o tratamento. O procedimento é realizado da mesma maneira, no caso das mulheres, e é indicado que o congelamento seja feito antes que os pacientes como os tratamentos do câncer.

GENESIS – Com 26 anos de atuação, a Genesis – Centro de Assistência em Reprodução Humana conta com profissionais especializados, formados nos principais centros acadêmicos do mundo para prestar serviços de excelência na área de reprodução humana assistida. Experiente, a equipe agrega conhecimento e tecnologia e prima pela assistência ética, personalizada, com confidencialidade e foco no melhor resultado.

Por Larissa Sampaio

Conversa Coletivo de Comunicação Criativa

Mais Notícias

Por que a idade influencia na fertilidade feminina?

Conheça a laparoscopia: um procedimento minimamente invasivo

A importância da ultrassonografia na avaliação de pacientes

Tudo que você precisa saber sobre gestação ectópica

Reversão de vasectomia pode recuperar fertilidade masculina

Mitos e verdades sobre a FIV

Genesis Brasília lança Programa de Estágio Avançado em Reprodução Assistida e Endoscopia Ginecológica

Portadores de HIV/AIDS podem planejar a gestação sem riscos ao bebê

Qual tratamento mais indicado para o meu caso?

Conheça o passo a passo do congelamento de sêmen