Estilo de vida saudável é aliado da fertilidade

> Blog

Estilo de vida saudável é aliado da fertilidade

5 de julho de 2019

Fumar, não praticar atividades físicas ou praticá-las em excesso, dormir pouco, manter uma dieta desequilibrada, tomar muito café e o estresse são alguns dos fatores que podem impactar diretamente na fertilidade de homens e mulheres em idade reprodutiva. “Por isso, manter um estilo de vida saudável é um grande aliado para a preservação da fertilidade”, afirma Nicolas Cayres, ginecologista da Genesis Brasília.

Atividades Físicas
A prática de atividade física moderada é uma grande aliada para combater problemas de infertilidade porque ela pode evitar o sobrepeso e auxiliar numa rotina de vida mais saudável. Entretanto, os exercícios físicos não podem ser extenuantes, pois mulheres que praticam atividade física excessivamente também podem exibir alterações no sistema reprodutor. O especialista explica que “isso acontece devido à maior demanda energética, que acaba alterando a função hipotalâmica, com desbalanço hormonal e consequente distúrbio menstrual”.

Outro fator importante é o tabagismo, tendo em vista que mulheres tabagistas têm o dobro de risco de apresentarem infertilidade. “O cigarro pode diminuir a quantidade de óvulos, possibilitando ainda alterações genéticas nessas células. Além disso, gestantes tabagistas têm maior risco de gravidez nas trompas e de aborto”, comenta o especialista.

Hábitos Saudáveis
No caso das mulheres, o sobrepeso ou a desnutrição podem afetar diretamente sua função reprodutora. Isso acontece devido ao desequilíbrio hormonal provocado por estes comportamentos, que acaba determinando uma disfunção nos ovários. Nos homens, a obesidade pode diminuir tanto a quantidade quanto a qualidade dos espermatozoides, interferindo também nos níveis de testosterona.

Além de hábitos alimentares saudáveis, o sono pode ser responsável pela infertilidade de um casal. “Apesar de não diminuírem os níveis de testosterona, distúrbios do sono estão associados à diminuição na quantidade de espermatozoides. Na fertilidade feminina, a alteração do sono pode ativar hormônios das glândulas suprarrenais e gerar mudança da produção de hormônios reprodutivos”, avalia Nicolas Cayres. Além disso, dormir pouco pode levar o sistema imunológico a se voltar contra tecidos e órgãos saudáveis, causando uma inflamação, que acaba afetando a fertilidade.

O especialista comenta que, embora a relação do estresse com a infertilidade nos homens seja de difícil comprovação científica, estima-se que esta condição possa diminuir a concentração espermática, a capacidade de se moverem assim como a morfologia dos espermatozoides. Quanto às mulheres, acredita-se que o estresse excessivo pode acabar alterando a função do hipotálamo, que controla hormonalmente o sistema reprodutivo, e pode culminar em alterações menstruais e ovulatórias. “Nesse contexto, práticas que diminuem o estresse, como atividade física ou terapias psicológicas, poderiam melhorar as taxas de gestação”, finaliza Nicolas Cayres.

Mais Notícias

Genesis é convidada a validar diagnóstico genético não invasivo em embriões no Brasil

Equipe médica da Genesis participa do XXIII Congresso Brasileiro de Reprodução Assistida

Estudo holandês aponta que fertilização in vitro não aumenta risco de câncer de ovário

Saiba quais fatores interferem nos resultados da fertilização in vitro (FIV)

Corpo clínico da Genesis é destaque em eventos internacionais

Estilo de vida saudável é aliado da fertilidade

Fertilização in vitro pode ser uma alternativa para mulheres que realizaram a laqueadura tubária e desejam engravidar

Abortos de repetição: conheça as causas e possibilidades

Como a qualidade dos óvulos influencia na infertilidade?

Varicocele é uma das principais causas de infertilidade masculina