#NovembroAzul: Câncer de próstata pode atingir 68 mil brasileiros em 2018

> Blog

#NovembroAzul: Câncer de próstata pode atingir 68 mil brasileiros em 2018

9 de novembro de 2018

Durante o mês de alerta aos homens sobre a prevenção e importância do diagnóstico precoce do câncer de próstata, segundo tipo de câncer mais comum indivíduos do sexo masculino. De acordo com o Instituto Nacional do Câncer, o câncer de próstata deve atingir 68 mil brasileiros em 2018. A estimativa para Brasília é de 850 novos casos ainda em 2018.

Nesse sentido, a campanha do Novembro Azul alerta a sociedade sobre a importância da prevenção e do tratamento das doenças masculinas. Outro destaque é fundamental: a possibilidade de preservação da fertilidade em homens diagnosticados com a doença e que precisarão se submeter a tratamentos para curá-la.

De acordo com Joseph Monteiro, urologista da Clínica Genesis Brasília certificado em reprodução assistida pela Sociedade Brasileira de Reprodução Assistida (SBRA), a criopreservação (congelamento de material genético), pode ser a solução. “Os tratamentos para o câncer de próstata como radioterapia ou cirurgia podem levar à infertilidade, mesmo que a doença seja descoberta precocemente”, informa.

Por isso, antes de iniciar as terapias recomendadas pelo oncologista, é preciso saber se há a intenção de gerar filhos biológicos no futuro e, se houver, considerar o procedimento de criopreservação, técnica que integra a especialidade da medicina batizada de oncofertilidade.

“Uma possibilidade é congelar o sêmen em uma clínica de reprodução, antes da radioterapia. Nos casos de tratamento cirúrgico, além da possibilidade do congelamento antes da cirurgia ainda é possível obter posteriormente os espermatozoides diretamente do testículo para o processo de fertilização in vitro, no qual o óvulo é fecundado no laboratório e o embrião é transferido para o útero”, exemplifica Joseph Monteiro.

O paciente é orientado a fazer o congelamento dos espermatozoides antes de começar seu tratamento. Para isso, ele passa por exames laboratoriais que identificam quaisquer doenças infecciosas que podem ser transmitidas através do sêmen, como hepatite e sífilis. “Esta avaliação é realizada rotineiramente e, mesmo que alguma dessas doenças seja identificada, a amostra pode ser congelada. Todavia, ela passa por um protocolo de segurança laboratorial na armazenagem e posterior utilização”, explica o médico.

 

Por Larissa Sampaio
Conversa Coletivo de Comunicação Criativa

Mais Notícias

O que é vaginismo e como isso pode impactar as chances de gravidez

Estudo aponta que mulheres que usam aplicativos para monitorar ciclo menstrual aumentam suas chances de engravidar em até 20%

Entenda como a alimentação pode influenciar na síndrome dos ovários policísticos

Genesis participa do primeiro estudo brasileiro multicêntrico sobre análise embrionária não invasiva

O que você come importa: saiba o que incluir no prato para aumentar as chances de uma gravidez saudável

Pesquisa aponta relação entre idade paterna avançada e maiores taxas de abortamento: entenda

Parte II: Como funcionam os tratamentos de reprodução assistida para a população LGBTQIA+?

Parte I: Como funcionam os tratamentos de reprodução assistida para a população LGBTQIA+?

Infertilidade: saiba mais sobre a condição que atinge cerca de 15% dos casais do mundo

Covid-19 e gravidez: o que se sabe até agora