Novembro Azul: câncer de próstata não precisa ser o fim do sonho de ser pai

> Blog

Novembro Azul: câncer de próstata não precisa ser o fim do sonho de ser pai

4 de novembro de 2019

Novembro é o mês de prevenção contra o câncer de próstata, o segundo mais comum entre homens no Brasil e no mundo. Além das consequências debilitantes para a saúde, os tratamentos para a doença (radioterapia, quimioterapia, hormonioterapia e cirurgia) podem levar à infertilidade porque podem reduzir ou até mesmo interromper a produção de espermatozoides. 

“Sem a próstata, a produção do líquido seminal é afetada, ou seja, o homem fica infértil. Em casos em que não é preciso retirar a glândula, o tratamento pode eliminar a produção dos espermatozoides. Já na cirurgia de remoção da glândula, a produção cessa”, explica Joseph Monteiro, urologista da Genesis. 

Preservação da fertilidade – Mas o diagnóstico da doença não é impedimento para homens que desejam ter filhos. Existem técnicas eficientes de preservação de fertilidade a que pacientes podem recorrer antes de iniciar o tratamento para posteriormente realizarem o desejo de ter um bebê por meio de técnicas de reprodução assistida, como a fertilização in vitro e a inseminação artificial. 

A mais comum é o congelamento de espermatozoides. Também chamada de criopreservação, esta técnica possibilita o armazenamento de material genético em tanques de nitrogênio a -196 °C por longos períodos, o que garante a viabilidade de uso por tempo indeterminado. 

“Nos casos cirúrgicos, além da possibilidade do congelamento antes da intervenção, ainda é possível obter posteriormente os espermatozoides diretamente do testículo para o processo de fertilização in vitro”, explica Joseph.

Aumento de casos – O Instituto Nacional de Câncer (Inca) estima para este ano (o dado é o mesmo de 2018) um total de 68.220 novos casos de câncer de próstata. O aumento da incidência deste tipo de tumor no Brasil pode ser parcialmente justificado por diversos fatores.

“A evolução dos meios diagnósticos, o aumento da expectativa de vida e a maior conscientização da população masculina sobre o rastreamento em pacientes assintomáticos de acordo com a idade e histórico familiar são alguns dos principais”, detalha o urologista. Já os fatores de risco para o desenvolvimento da doença são idade e histórico familiar de câncer de próstata em parentes de primeiro grau.

Diagnóstico – A relutância em realizar o exame de toque retal – cujo objetivo é identificar o crescimento da próstata (na maioria das vezes, benigno) – dificulta um possível diagnóstico precoce, o que é preocupante porque, em fases iniciais, o câncer de próstata geralmente não apresenta sintomas. “Em fases mais avançadas, podem surgir sintomas causados pela invasão de órgãos vizinhos como uretra, bexiga e reto, ou através da corrente sanguínea podem atingir até ossos e pulmões” detalha o urologista.

O câncer de próstata também pode ser identificado por meio do PSA, exame de sangue que avalia a quantidade de antígeno prostático específico, substância produzida pela glândula. Um profissional deve sempre avaliar a necessidade de realizar exames complementares.

“O diagnóstico precoce é a melhor forma de tratamento, sendo recomendado pela Sociedade Brasileira de Urologia. Em pacientes com menos de 50 anos, indica-se o rastreamento de rotina e, quando da ocorrência de histórico familiar da doença, a partir dos 45 anos”, reforça Joseph.

Saiba mais informações sobre o câncer de próstata aqui.

Por Gabriela Brito Conversa | Estratégias de Comunicação Integrada

Mais Notícias

Saiba como infecções sexualmente transmissíveis interferem na fertilidade

Resultado da seleção do Programa de Estágio Avançado 2020

Quais são os indicadores de sucesso de uma fertilização in vitro?

Menopausa prematura: e se eu ainda quiser ter filhos?

Comum no verão, candidíase diminui chances de engravidar

Participe do Programa de Estágio Avançado da Genesis em 2020! Inscrições de 2 a 31 de janeiro

Cinco conselhos para preservar sua fertilidade em 2020

Congelamento de óvulos: o que você precisa saber

Entenda os parâmetros legais para o congelamento de gametas e embriões

Como a reprodução assistida pode ajudar pessoas com HIV?