Novembro azul: câncer de próstata não significa o fim do sonho de ser pai

> Blog

Novembro azul: câncer de próstata não significa o fim do sonho de ser pai

6 de novembro de 2020

Novembro é o mês de conscientização sobre o câncer de próstata, o segundo tipo mais comum entre os homens no Brasil. Em valores absolutos e considerando ambos os sexos, só em 2020 estima-se 65.840 novos casos, de acordo com o Instituto Nacional de Câncer (Inca).

Ao contrário do que muitos pensam, o câncer de próstata em si não afeta a fertilidade, mas o tratamento, sim. “Mesmo em sua fase inicial, com o diagnóstico precoce, o tratamento contra a doença é realizado através da prostatectomia radical (cirurgia de remoção da próstata) ou radioterapia. No caso da cirurgia, ocorre a impossibilidade de ejaculação. No da radioterapia, uma destruição das células espermáticas e espermatozoides”, detalha Joseph.

O diagnóstico positivo para a doença não significa, contudo, o fim do sonho da paternidade. Antes do tratamento cirúrgico é possível realizar o congelamento de espermatozoides (criopreservação) e, após a cirurgia, obter espermatozoides por meio de punção do epidídimo ou biópsia testicular.

Sintomas – Em geral os pacientes não apresentam sintomas na fase inicial da doença, quando o tumor está contido na próstata. Quando apresentam, são semelhantes aos do crescimento benigno da glândula, como dificuldade de urinar e necessidade de ir ao banheiro mais vezes durante o dia ou à noite. “Na fase avançada, pode haver sintomas causados pela invasão de órgãos vizinhos, como uretra, bexiga e reto, ou através da corrente sanguínea, por meio da qual células malignas podem atingir locais como ossos e pulmões”, explica Joseph. Nesse estágio, os sintomas podem ser dor óssea, sintomas urinários ou ainda infecção generalizada ou insuficiência renal.

Fatores de risco – “Os fatores de risco para o desenvolvimento da doença são idade e história familiar de câncer de próstata em parentes de primeiro grau”, indica Joseph. Ainda de acordo com o Inca, o câncer de próstata é considerado um carcinoma da terceira idade, com cerca de 75% dos casos no mundo acontecendo a partir dos 65 anos.

Pai ou irmão com câncer de próstata antes dos 60 anos pode indicar fatores genéticos e hereditários. Vale dar atenção a hábitos alimentares e estilo de vida também, visto que excesso de gordura corporal aumenta o risco de câncer de próstata avançado.

Outros fatores de risco incluem exposições a aminas aromáticas (comuns nas indústrias química, mecânica e de transformação de alumínio), arsênio (usado como conservante de madeira e como agrotóxico), produtos de petróleo, motor de escape de veículo, hidrocarbonetos policíclicos aromáticos (HPA), fuligem e dioxinas.

Prevenção e diagnóstico – O diagnóstico precoce aumenta as chances de um tratamento bem-sucedido. No caso de pessoas com sinais e sintomas, o diagnóstico pode ser feito por meio de exames clínicos, laboratoriais ou radiológicos. Em pessoas sem sintomas, o diagnóstico pode ser feito por meio de exames como o toque retal e o exame de sangue.

A avaliação do paciente e a escolha do tratamento mais adequado devem sempre ser guiadas pela opinião de um profissional da área. Consulte seu médico, faça exames de rotina e mantenha hábitos de alimentação e de vida saudáveis.

Por Gabriela Brito Conversa | Estratégias de Comunicação Integrada

Mais Notícias

Novembro azul: câncer de próstata não significa o fim do sonho de ser pai

Tudo o que você precisa saber sobre período fértil

Saiba o que é endometrite crônica e como ela pode impactar sua fertilidade

O que é vaginismo e como isso pode impactar as chances de gravidez

Estudo aponta que mulheres que usam aplicativos para monitorar ciclo menstrual aumentam suas chances de engravidar em até 20%

Entenda como a alimentação pode influenciar na síndrome dos ovários policísticos

Genesis participa do primeiro estudo brasileiro multicêntrico sobre análise embrionária não invasiva

O que você come importa: saiba o que incluir no prato para aumentar as chances de uma gravidez saudável

Pesquisa aponta relação entre idade paterna avançada e maiores taxas de abortamento: entenda

Parte II: Como funcionam os tratamentos de reprodução assistida para a população LGBTQIA+?