Genesis participa do primeiro estudo brasileiro multicêntrico sobre análise embrionária não invasiva

> Blog

Genesis participa do primeiro estudo brasileiro multicêntrico sobre análise embrionária não invasiva

5 de agosto de 2020

Em parceria com grandes centros de reprodução do país, a Genesis participou do primeiro estudo brasileiro sobre análise embrionária não invasiva, recentemente publicado no JBRA Assisted Reproduction, revista científica trimestral de grande prestígio.

Pioneiro na América Latina, o artigo buscou avaliar a presença de alterações cromossômicas no embrião de acordo com a idade de cada paciente a partir da técnica de diagnóstico pré-implantacional não invasivo (niPGT-A). Para isso, foram analisados 94 casais que receberam a orientação para realizar o procedimento devido à idade materna mais avançada, fatores masculinos, repetidas falhas de implantação, abortos recorrentes ou porque apenas solicitaram o exame.

“Os resultados mostraram que, quanto maior a idade, maiores as chances de alterações cromossômicas no embrião. O diferencial, contudo, está no fato de que esta técnica nos possibilitou chegar a resultados semelhantes aos da biópsia embrionária, técnica tradicional considerada ‘invasiva’ porque são retiradas células do embrião”, explica Dr. Adelino Amaral, sócio e ginecologista da Genesis.

Diagnóstico genético pré-implantacional não invasivo – No ano passado, a Genesis foi foi uma das dez clínicas brasileiras escolhidas para validar o procedimento no país. O grande diferencial deste exame é justamente seu caráter não invasivo: ele analisa o DNA do embrião a partir do meio de cultivo em que é desenvolvido, sem necessidade de retirar células, diminuindo, assim, os riscos de danos e de perda embrionária.

Diagnóstico genético embrionário – Em um tratamento de fertilização in vitro (FIV), o diagnóstico genético embrionário analisa as alterações numéricas e estruturais dos 23 pares de cromossomos do embrião na intenção de escolher apenas os com constituição normal para transferência para o útero.

Perspectivas futuras para a reprodução humana – “A pesquisa permite confirmar que o diagnóstico genético pré-implantacional não invasivo é uma técnica segura. Em um futuro próximo, acreditamos que ela substituirá a atual biópsia embrionária, diminuindo os riscos de danos e de perda do embrião”, finaliza Adelino.

Por Gabriela Brito Conversa | Estratégias de Comunicação Integrada

Mais Notícias

Novembro azul: câncer de próstata não significa o fim do sonho de ser pai

Tudo o que você precisa saber sobre período fértil

Saiba o que é endometrite crônica e como ela pode impactar sua fertilidade

O que é vaginismo e como isso pode impactar as chances de gravidez

Estudo aponta que mulheres que usam aplicativos para monitorar ciclo menstrual aumentam suas chances de engravidar em até 20%

Entenda como a alimentação pode influenciar na síndrome dos ovários policísticos

Genesis participa do primeiro estudo brasileiro multicêntrico sobre análise embrionária não invasiva

O que você come importa: saiba o que incluir no prato para aumentar as chances de uma gravidez saudável

Pesquisa aponta relação entre idade paterna avançada e maiores taxas de abortamento: entenda

Parte II: Como funcionam os tratamentos de reprodução assistida para a população LGBTQIA+?