Entenda os parâmetros legais para o congelamento de gametas e embriões

> Blog

Entenda os parâmetros legais para o congelamento de gametas e embriões

13 de dezembro de 2019

Nesta semana, a Corte Europeia de Direitos Humanos negou a uma mulher o direito de utilizar o sêmen do filho, que faleceu em 2017, para ter netos. Após receber o diagnóstico de câncer em 2014, o homem expressou que sempre teve o desejo de ter uma família e que queria congelar seu sêmen com esse propósito, mas ficou muito doente para realizar seu sonho. 

O hospital onde o homem congelou seus gametas, em Paris, se recusou a transferir o material para a mãe, alegando que ela não possui direito legal sobre o esperma do filho. Três juízes da Corte concordaram com a decisão, afirmando que o direito à paternidade é intransferível.

Cada país tem suas regras específicas sobre reprodução assistida. Você sabe como funciona aqui no Brasil?

Segundo o Conselho Federal de Medicina, no momento do congelamento (ou criopreservação) os pacientes devem manifestar por escrito o destino a ser dado aos gametas criopreservados em caso de divórcio ou dissolução de união estável, doenças  graves, falecimento de um deles ou de ambos e quando desejam doá-los.

“De acordo com a Resolução nº 2.168/2017, não existe a possibilidade de outra pessoa utilizar o material criopreservado além daquela especificada pelo dono do material genético em vida, a não ser por demanda jurídica”, esclarece a ginecologista e sócia da Genesis, Hitomi Nakagawa.

Além desta regra, a resolução dita que embriões criopreservados com três anos ou mais poderão ser descartados se esta for a vontade expressa dos pacientes. Os embriões criopreservados e abandonados  por  esse período poderão ser descartados. Considera-se abandonado aquele embrião cujos responsáveis descumpriram o contrato pré-estabelecido e não foram localizados pela clínica.

Caso semelhante na Genesis – “Nós já tivemos um caso semelhante a esse relatado, em que o portador do sêmen congelado não sobreviveu à sua doença, infelizmente. Ele havia deixado no seu consentimento escrito a vontade de que a esposa utilizasse o material, mas não conseguiu se casar a tempo. Devido à resolução do CFM, que especifica que somente a pessoa designada em vida pelo portador do material pode utilizá-lo, quando um outro membro da família solicitou o material biológico, nós explicamos que não seria possível. Até o momento, ele não foi utilizado. Nossa equipe encontra-se preparada para acolher e orientar casos assim”, explica a dra. Hitomi.

 

Por Gabriela Brito Conversa | Estratégias de comunicação integrada

Mais Notícias

Saiba como infecções sexualmente transmissíveis interferem na fertilidade

Resultado da seleção do Programa de Estágio Avançado 2020

Quais são os indicadores de sucesso de uma fertilização in vitro?

Menopausa prematura: e se eu ainda quiser ter filhos?

Comum no verão, candidíase diminui chances de engravidar

Participe do Programa de Estágio Avançado da Genesis em 2020! Inscrições de 2 a 31 de janeiro

Cinco conselhos para preservar sua fertilidade em 2020

Congelamento de óvulos: o que você precisa saber

Entenda os parâmetros legais para o congelamento de gametas e embriões

Como a reprodução assistida pode ajudar pessoas com HIV?