Congelamento de óvulos: o que você precisa saber

> Blog

Congelamento de óvulos: o que você precisa saber

20 de dezembro de 2019

Escolhas profissionais, educacionais e de estilo de vida são possíveis razões para adiar o desejo de ser mãe. Por isso, tem crescido o número de mulheres que congelam seus óvulos (criopreservação) para usá-los futuramente.

Apesar de o congelamento ser realizado já há muitos anos, o procedimento deixou de ser considerado experimental há cerca de apenas uma década. Por ser  a maior célula humana, o óvulo se rompia durante o congelamento devido à formação de cristais de gelo em seu interior. 

A vitrificação, técnica criada pelo Dr. Masashige Kuwayama, foi um grande marco para o procedimento: o congelamento rápido evita a formação desses cristais e garante a sobrevivência do gameta.

Convidamos o Dr. Adelino Amaral, ginecologista e sócio da Genesis, para um bate-papo sobre as principais dúvidas a respeito do assunto. Leia a entrevista e compartilhe conhecimento!

1. A idade da mulher interfere no congelamento dos óvulos?

Sim, e é um dos principais fatores. Quanto mais cedo a mulher congelar seus óvulos, melhor. A reserva ovariana é finita, e tanto a qualidade quanto a quantidade de óvulos começa a diminuir a partir dos 30 anos. “O ideal é congelar até os 35. Depois dos 40, o prognóstico piora muito”, afirma Adelino. 

2. Qual a quantidade ideal de óvulos a ser transferida ou congelada? 

O ideal é quanto mais, melhor. Quanto maior a idade da mulher, teoricamente mais óvulos serão necessários, porque a qualidade deles diminui com o tempo. “A qualidade dos óvulos está diretamente ligada à idade. Por exemplo, uma mulher de 30 anos que decide congelar 10 óvulos tem mais chances de engravidar do que uma mulher de 40 que congelou 20 óvulos. Mas o que se acredita hoje ser o número ideal para obter sucesso em uma fertilização in vitro seria em torno de 15”, explica Amaral. 

3. O congelamento de óvulos é garantia de gravidez?

Não. O congelamento é um planejamento. “Óvulo não é um embrião ou um bebê. Às vezes, a implantação de um embrião no útero não vinga e a gravidez não acontece. É o que ocorre em 60% dos casos”, detalha Amaral.

4. Por quanto tempo os óvulos podem ficar congelados? 

Por tempo indeterminado. “Provavelmente durará a vida inteira, porque interrompe-se o processo biológico. Ainda não é possível afirmar o tempo certo porque o congelamento de óvulos deixou de ser meramente experimental há cerca de 10 anos. Mas acredita-se que seja igual ao de embriões e espermatozoides e dure a vida inteira. Já existem relatos de gravidez após 21 anos de congelamento de embrião. Na Genesis, já tivemos caso de gravidez após 17 anos de congelamento de embrião”, explica o ginecologista. 

5. O congelamento de óvulos é um procedimento invasivo? 

Sim, é um procedimento invasivo porque, para que a captação dos óvulos aconteça, são necessárias medicações injetáveis indutoras de ovulação chamadas gonadotrofinas. Também requer anestesia para a retirada dos óvulos, feita por punção vaginal. “Normalmente é um procedimento que dura menos de 30 minutos. A paciente recebe alta em torno de 2 horas depois e está apta a retomar suas atividades no dia seguinte”, tranquiliza.

6. Existe uma fase ideal para o congelamento? 

Quando o caso é oncológico, pode-se começar o processo em qualquer fase do ciclo menstrual devido à urgência de preservá-los antes dos tratamentos quimioterápicos. Em casos normais, o ideal é no início do ciclo menstrual, nos primeiros 3 dias. “Vale ressaltar que a qualidade do óvulo é a mesma, independentemente da fase do ciclo em que foi coletado. Opta-se pelo início do ciclo porque é mais fisiológico, o recrutamento folicular está no começo”, explica o Dr. Adelino.

7. Os óvulos de pacientes com câncer têm menos qualidade? 

A qualidade é boa antes do início do tratamento quimio ou radioterápico. “É muito importante enfatizar que pacientes jovens com diagnóstico de câncer devem procurar serviços de reprodução humana para fazer o congelamento de óvulos antes de iniciar o tratamento”, reforça. 

Casos na Genesis – O primeiro bebê da Genesis fruto de congelamento de óvulos nasceu em 2011. A clínica também foi responsável pelo nascimento de dois bebês de pacientes que tiveram câncer de mama há exatamente 2 e 1 ano atrás, respectivamente.

 

Por Gabriela Brito Conversa | Estratégias de Comunicação Integrada

Mais Notícias

Comum no verão, candidíase diminui chances de engravidar

Participe do Programa de Estágio Avançado da Genesis em 2020! Inscrições de 2 a 31 de janeiro

Cinco conselhos para preservar sua fertilidade em 2020

Congelamento de óvulos: o que você precisa saber

Entenda os parâmetros legais para o congelamento de gametas e embriões

Como a reprodução assistida pode ajudar pessoas com HIV?

Fertilização in vitro gera novas vidas há mais de 40 anos

Reserva ovariana: qual sua importância e como medi-la?

Dia Mundial do Diabetes: esta doença pode afetar a fertilidade?

Novembro Azul: câncer de próstata não precisa ser o fim do sonho de ser pai