Clamídia pode levar à infertilidade

> Blog

Clamídia pode levar à infertilidade

23 de março de 2018

As doenças sexualmente transmissíveis (DSTs) representam cerca de 25% das causas de infertilidade, de acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS). Entre elas, as que mais podem prejudicar a fertilidade feminina são que provocam doença inflamatória pélvica, como a clamídia, por exemplo.

Quando a paciente é diagnosticada com a doença, o tratamento indicado é medicamentoso, desde que diagnosticada no começo, para que não haja necessidade de intervenção cirúrgica.. Contudo, “muitas vezes essa doença é silenciosa e não causa sintomas, então os pacientes já a descobrem em estágio avançado, o que prejudica o tratamento e pode levar à infertilidade”, explica Elielma Almeida, ginecologista da Genesis Brasília.

Os órgãos mais afetados pela clamídia são as trompas uterinas, causando inflamação e aderências que levam à infertilidade. Porém 50 a 70% das pacientes só descobrem que tiveram a doença inflamatória pélvica quando estão investigando as causas de infertilidade.

CLAMÍDIA – “A bactéria Chlamydia trachomatis, popularmente conhecida como clamídia, atualmente é a DST mais comum no mundo, atingindo mais de 5% da população adulta, segundo a OMS”, comenta a especialista Elielma.

Nas mulheres, os principais sintomas são corrimento e/ou coceira vaginal, sangramento vaginal fora do ciclo menstrual, dor abdominal, dor durante o sexo e ardência ou dor ao urinar.
Já os pacientes masculinos com suspeita de clamídia podem apresentar ardência ou dor ao urinar, dor nos testículos e inchaço do saco escrotal. “Entretanto, é importante lembrar que a doença pode não apresentar sintomas. Por isso é fundamental visitar o médico periodicamente para que o diagnóstico seja feito o mais rápido possível”, enfatiza a médica.

GENESIS – Com 25 anos de atuação, a Genesis – Centro de Assistência em Reprodução Humana conta com profissionais especializados, formados nos principais centros acadêmicos do mundo para prestar serviços de excelência na área de reprodução humana assistida. Experiente, a equipe agrega conhecimento e tecnologia e prima pela assistência ética, personalizada, com confidencialidade e foco no melhor resultado.

 

Larissa Sampaio
Conversa Coletivo de Comunicação Criativa

Mais Notícias

Estudo aponta que mulheres que usam aplicativos para monitorar ciclo menstrual aumentam suas chances de engravidar em até 20%

Entenda como a alimentação pode influenciar na síndrome dos ovários policísticos

Genesis participa do primeiro estudo brasileiro multicêntrico sobre análise embrionária não invasiva

O que você come importa: saiba o que incluir no prato para aumentar as chances de uma gravidez saudável

Pesquisa aponta relação entre idade paterna avançada e maiores taxas de abortamento: entenda

Parte II: Como funcionam os tratamentos de reprodução assistida para a população LGBTQIA+?

Parte I: Como funcionam os tratamentos de reprodução assistida para a população LGBTQIA+?

Infertilidade: saiba mais sobre a condição que atinge cerca de 15% dos casais do mundo

Covid-19 e gravidez: o que se sabe até agora

Diagnóstico genético embrionário: o que é e como funciona?